CULTURA

'BOI MATERIAL', novo espetáculo da Cênica, estreia hoje no Sesc Rio Preto

'BOI MATERIAL', novo espetáculo da Cênica, estreia hoje no Sesc Rio Preto
Peça para público adulto que se passa em uma feira de exposição agropecuária, onde um grupo de artistas é contratado para entreter o espetáculo
📸 Higor Arco

A Cênica estreia em Rio Preto seu novo espetáculo adulto concebido para o palco, BOI MATERIAL, resultado da parceria artística da companhia rio-pretense com o encenador e dramaturgo convidado Pedro Kosovski, fundador d'Aquela Cia de Teatro (Rio de Janeiro). O artista assina direção e dramaturgia, essa em coautoria com Fagner Rodrigues. A montagem faz duas sessões no teatro do Sesc Rio Preto, dias 11 e 12, terça e quarta-feira, às 21 horas.

BOI MATERIAL se passa em uma feira de exposição, onde um grupo de artistas é contratado para entreter o espetáculo e se percebe como parte da complexa engrenagem que reproduz um jogo de poder, cujos movimentos incidem diretamente contra as existências vivas do planeta. Durante um leilão de gado, que ironicamente perpassa a iconografia do boi na história da pintura brasileira, o grupo subverte o jogo, ora assumindo o papel dos donos da terra, ora especulando sobre um levante.

O elenco conta com Andrea Capelli, Beta Cunha, Cássia Heleno, Christina Martins, Deivison Miranda, Fabiano Amigucci, Geovanna Leite, Glauco Garcia, Simone Moerdaui e Vanessa Palmieri. Na direção musical e composições inéditas, Felipe Storino. A direção vocal é de Everton Gennari e a direção de movimento, de Mayk Santos.

O ponto de partida para BOI MATERIAL foi a investigação sobre o paradoxal e complexo signo do boi. De um lado, ele representa o poder fundado na lógica patriarcal, machista, autoritária, predatória e exploradora que se impõe sobre as diversas formas de existência, consideradas meros recursos dos quais "se aproveita até o berro". De outro, representa uma potência coletiva, criativa e transgressora, que pode ser observada no modo como a cultura popular, as comunidades menorizadas e a arte invertem e subvertem as normas vigentes para continuarem existindo e pulsando como vida.

"A figura do boi também cria um horizonte de visibilidade e debate sobre o lugar dos artistas no interior, também inscrito nessas ambivalências. A distância dos grandes centros de cultura os aparta sob alguns aspectos, especialmente pela manutenção de estereótipos que fazem subestimar suas potencialidades. Contudo, ajuntamentos artísticos interioranos seguem resistindo e desorganizando tais estereótipos por meio da sua arte, de seus modos de produção e da criação e fortalecimento de redes de articulação e afeto", considera a equipe artística de forma conjunta.

A cenografia (por Lidia Kosovski) e os figurinos (Fabiano Amigucci) iniciais contribuem para a sobreposição de outra camada de significação do espaço e do grupo de artistas ao apresentarem uma visualidade que remete a um frigorífico - mais uma estação desse sistema, que denota assepsia e ordem, onde artistas são artistas, são trabalhadores, são os próprios bois.

A partir do momento em que elementos do grupo assumem o papel de figuras que alegorizam os donos da terra e, por outro lado, figuras míticas de poder, surge mais uma camada de atuação, também expressa nas transparências presentes em seus figurinos estilo agro, inspiradas nos cortes de carne bovina e que evidenciam partes dos corpos dos atuantes.     

A dramaturgia não possui um caráter linear, entretanto se equilibra sobre um fio cujo percurso está enunciado nos corpos, nos figurinos e nas transformações que acontecem com e sobre o espaço, cujo sentido é a imaginação de um mundo possível.

Outras ações

Em maio, diversas ações foram realizadas por meio do projeto. Uma delas, no dia 28, foi a apresentação do espetáculo no Teatro Municipal de Jales. Antes, a companhia realizou um ensaio aberto também no Sesc Rio Preto. A ação começou com uma fala de Kosovski e demais integrantes da equipe artística sobre o momento atual do processo de criação.

No mesmo mês, o Sesc também foi palco do workshop "Dramaturgias do movimento: direção e preparação corporal para o teatro", com Mayk Santos. Em abril, por sua vez, a Cênica promoveu um compartilhamento de processo na sede da Companha Azul Celeste, mostrando trechos da montagem, seguido de bate-papo.

Parceria

Essa é a segunda parceria da companhia com Kosovski. Em julho de 2019, a convite da Embaixada da França no Brasil/Instituto Francês do Brasil e do FIT – Festival Internacional de Teatro de São José do Rio Preto, a Cênica foi dirigida por Pedro Kosovski na leitura dramática de J'ai bien fait? (Fiz bem?), de Pauline Sales, traduzido por ele para o português. Na ocasião, surgiu o desejo mútuo por um novo encontro artístico mais amplo e profundo. Deste desejo, somado ao desejo da Cênica de seguir investigando seu "sertão" e ao de Kosovski de se debruçar sobre o "interior", nasceu BOI MATERIAL.

O projeto é viabilizado pelo Edital ProAC Nº 01/2022 – Teatro / Produção de Espetáculo Inédito, da Secretaria da Cultura, Economia e Indústria Criativas do Governo do Estado de São Paulo.

Sobre a Cênica

Coletivo teatral de repertório fundado em 2007 por Fagner Rodrigues, a Cênica conta atualmente com 23 integrantes e 11 espetáculos em circulação, concebidos para palco, rua, espaços alternativos e ambiente virtual. Ao longo de sua trajetória, suas pesquisas têm sido pautadas no teatro popular, na dramaturgia autoral, na música ao vivo enquanto elemento dramatúrgico e na ocupação de ruas e espaços não convencionais. Para além de suas produções artísticas, a companhia mantém, em sua sede, o projeto Território Cênico, voltado à pesquisa, formação e difusão artística-cultural, e realiza a Mostra Cênica Resistências.

Sobre Pedro Kosovski

Dramaturgo, diretor teatral e professor de artes cênicas da PUC-RIO e do Teatro O Tablado. Funda, em 2005, a Aquela Cia de Teatro, núcleo de criação e pesquisa da linguagem teatral. Concentra seus esforços artísticos em uma dramaturgia que está no trânsito entre os conceitos de memória coletiva e fabulação. Suas obras foram apresentadas nos principais festivais do Brasil, em Portugal, Colômbia e está prevista, em 2022, na França. Recebeu indicações e foi vencedor dos principais prêmios de artes cênicas do Brasil como Shell, APCA, Cesgranrio, Questão de Crítica, APTR, Aplauso Brasil, Zilka Salaberry. Três de suas peças que formam a "Trilogia Carioca" ("Cara de Cavalo", "Caranguejo Overdrive", "Guanabara Canibal") estão publicadas pela editora Cobogó.

Sinopse

A peça se passa em uma feira de exposição, quando um grupo de artistas é contratado para entreter o espetáculo. Durante a Expô esses mesmos artistas percebem fazer parte da complexa engrenagem, um jogo de poder, cujos movimentos incidem diretamente contra as existências vivas do planeta. Em meio ao leilão de gado, que ironicamente perpassa a iconografia do boi na história da pintura brasileira, o grupo subverte o jogo ora assumindo o papel dos donos da Terra, ora especulando sobre um levante.

Ficha técnica

Dramaturgia e direção: Pedro Kosovski

Dramaturgia e assistência de direção: Fagner Rodrigues

Elenco: Andrea Capelli, Beta Cunha, Cássia Heleno, Christina Martins, Deivison Miranda, Fabiano Amigucci, Geovanna Leite, Glauco Garcia, Simone Moerdaui e Vanessa Palmieri

Direção musical e composições inéditas: Felipe Storino

Direção vocal: Everton Gennari

Direção de movimento: Mayk Santos

Figurinos: Fabiano Amigucci

Assistente de figurinos: Deivison Miranda

Costura: Lab Veste e Vergínia Santana

Perucaria: Gaia do Brasil

Cenografia: Lidia Kosovski

Assistentes de cenografia: Marcela Amorelli e Pedro Rocha

Execução de cenografia: Galpão 6Centos Cenografia e Amarildo De Paula

Reprodução da obra "O Minotauro ou Mánhene (O Veneno do Mundo)", de Denilson Baniwa: Deivison Miranda

Concepção audiovisual: Elissa Pompônio, Vinicius Dall' Acqua, Robo.Art

Operação de som: Larissa Macena

Iluminação: Luis Fernando Lopes

Assessoria de imprensa: Graziela Delalibera

Interpretação de Libras: Bárbara Moura

Fotos: Higor Arco

Vivência em capoeira angola: Camila Signorini e Paula Castro

Vivência artística: Fazenda Santa Lourdes

Coordenação e Produção: Cênica

Apoio: Sesc Rio Preto

Projeto realizado através do ProAC Editais, Secretaria da Cultura, Economia e Indústria Criativas, Governo do Estado de São Paulo

Serviço: 

BOI MATERIAL

Com Cênica. Direção: Pedro Kosovski

Dias 11 e 12/6, terça e quarta, 21h.

Teatro do Sesc Rio Preto. R$ 12 (credencial plena), R$ 20 (meia) e R$ 40 (inteira). 90 minutos. 16 anos.


+ Stnews

Série de esculturas performáticas criada por Fyodor Pavlov-Andreevich chega ao Sesc Rio Preto

Exposição com formato inédito na América do Sul conta com grandes móveis de madeira interativos que exploram fobias humanas, convidando visitantes a entrar e brincar, desafiando no...

Leia +

Jurista Durval de Noronha Goyos lança obras para celebrar 150 anos da imigração italiana no Brasil

Para marcar os 150 anos da imigração italiana no Brasil, comemorados em 2024, o jurista, e escritor rio-pretense, Durval de Noronha Goyos Jr., lança o livro “Brev...

Leia +

AWÊ Festival 2024 - Início das vendas nesta quarta-feira

O AWÊ Festival já confirmou a segunda edição em Rio Preto e será no Recinto de Exposições mais uma vez, especificamente no dia 23 de novembro. No ano passado o festival...

Leia +

Elba Ramalho realiza show gratuito no Sesi Rio Preto em agosto

A cantora Elba Ramalho fará um show gratuito no palco externo do Centro Cultural do Sesi Rio Preto no dia 03 de agosto, às 20h. Os ingressos são limitados e serão distr...

Leia +

Fliv 2024: Festival promove cerca de 400 atividades gratuitas com destaque para shows de Sandra Sá e Biquini Cavadão

A 14º do Festival Literário de Votuporanga (FLIV) promoverá mais de 400 atividades culturais e totalmente gratuitas entre os dias 4 e 11 de agosto. As duas grandes atra...

Leia +